Você sabia? Autônomos que utilizam as plataformas Uber, Ifood e 99 possuem direitos trabalhistas!

Autônomos Que Utilizam As Plataformas Uber, Ifood E 99 Possuem Direitos Trabalhistas Elaine 2 - Escritório de Advocacia em Várzea Paulista - SP | Dra Elaine Fernandes
A Presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Maria Cristina Peduzzi afirmou que os trabalhadores autônomos de empresas como Uber, iFood e 99 têm direito de recorrer à Justiça caso se sintam lesados durante seu expediente laborativo.

Compartilhe nas redes!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Juíza diz que autônomos de Uber, Ifood e 99 têm direitos trabalhistas

Presidente do TST afirma que trabalhadores podem recorrer à justiça caso se sintam lesados

A Presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Maria Cristina Peduzzi afirmou que os trabalhadores autônomos de empresas como Uber, iFood e 99 têm direito de recorrer à Justiça caso se sintam lesados durante seu expediente laborativo.

Em entrevista ao site da UOL, Maria Cristina afirmou que motoboys, motoristas e empregados terceirizados devem estar cobertos pela legislação trabalhista, com direito a aposentadoria e jornada de trabalho “compatível”.

Em seu entendimento, todo autônomo deve contribuir e se inscrever no INSS para garantir uma aposentadoria. “Esses direitos mínimos não são negados àqueles que não têm vínculo CLT, eles são assegurados a todos os autônomos”, afirmou Peduzzi.

Para trabalhadores de empresas como iFood, Uber e 99, a jornada de trabalho deve ser compatível com a saúde do profissional e com a saúde das demais pessoas com quem ele convive. A presidente do TST afirmou que o Poder Judiciário tem que proteger a todos os trabalhadores e fornecer o acesso deles à justiça, caso se sintam prejudicados.

Nova Legislação para acompanhar novas formas de trabalho

Com a evolução das novas possibilidades de trabalho, é preciso que a legislação também acompanhe esse progresso. O mundo inteiro está debatendo a questão e formulando uma nova legislação que engloba o novo vínculo entre empregado e empregador.

Afinal, o delivery agora é um forte campo de trabalho e emprega várias pessoas que estão à deriva de uma lei que não os protege. A pandemia também fez com que as empresas e os empreendedores buscassem novas formas de atuar. Para a magistrada, quando não há uma relação de vínculo empregatício, devem haver convenções e acordos coletivos para protegerem os trabalhadores.

É preciso realizar mudanças na legislação trabalhista para acompanhar a chamada revolução 4.0. A transformação provocada por plataformas digitais que possuem uma força de trabalho e fazem uso de algoritmos, como o iFood, levando o Poder Legislativo a “oferecer novas regras capazes de responder a novos conflitos”.

Projeto de Lei tramita no Senado

No Brasil, uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de 2019, determinou que não há vínculo empregatício entre a Uber e os motoristas. De acordo com o tribunal, eles são empreendedores individuais, e não funcionários diretos da empresa.

Contudo, há um projeto de lei  (PL 974/2021) para garantir salário mínimo e férias aos entregadores e motoristas autônomos, fazendo mudanças na CLT. O texto tramita no Senado Federal.

É de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e seu texto concede direitos trabalhistas para motoristas de aplicativos, inclusive aos que fazem entregas por bicicleta ou outros meios de transporte.

O projeto inclui na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que estes profissionais passarão a ter direito a salário mínimo por hora; férias anuais remuneradas de 30 dias, com valor calculado com base na média da remuneração mensal dos últimos 12 meses acrescida de, ao menos, um terço do valor da média; além de descanso semanal remunerado, com valor calculado com base na média da remuneração dos 6 dias anteriores.

Ainda em seu conteúdo, o texto do PL sugere que o salário mínimo da categoria seja calculado tendo por base o salário mínimo nacional, eventual acordo ou convenção coletiva; ou o piso salarial fixado para a categoria, prevalecendo o que for mais benéfico ao motorista de aplicativo.

Fonte: Jornal Contábil

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Descubra A Importancia Das Startups Elaine - Escritório de Advocacia em Várzea Paulista - SP | Dra Elaine Fernandes

Descubra agora se sua profissão tem direito ao adicional de insalubridade.

Muitas vezes o trabalhador não sabe classificar se a atividade exercida é caracterizada como insalubre ou não, e isso pode ser um problema, afinal, o exercício de atividade insalubre pode garantir um adicional de insalubridade e até mesmo acesso a uma aposentadoria diferenciada, devido aos riscos da sua profissão.

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
Benefício pode ser aplicado para quem trabalhou nos setores público…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top
Open chat